21.10.11

[Resenha] Feios - Scott Westerfeld

Título: Feios (Uglies)
Autor: Scott Westerfeld
Número de páginas: 416
Editora: Record
Avaliação: 4/5
Sinopse: Tally está prestes a completar 16 anos, e ela mal pode esperar. Não por sua carteira de motorista – mas para se tornar bonita. No mundo de Tally, seu aniversário de 16 anos traz uma operação que torna você de uma horripilante pessoa feia para uma maravilhosa pessoa linda e te leva para um paraíso de alta tecnologia onde seu único trabalho é se divertir muito. Em apenas algumas semanas Tally estará lá. Mas a nova amiga de Tally, Shay, não tem certeza se ela quer ser bonita. Ela prefere arriscar sua vida do lado de fora. Quando ela foge, Tally aprende sobre um lado totalmente novo do mundo dos bonitos – que não é tão bonito assim. As autoridades oferecem a Tally sua pior escolha: encontrar sua amiga e a entregar, ou nunca se transformar em uma pessoa bonita. A escolha de Tally faz sua vida mudar pra sempre.


Feios é um livro que eu queria ler há muito tempo. Muito mesmo! 
Eu criei uma expectativa gigante em torno do livro e acho que foi isso que prejudicou minha leitura. Não que eu não tenha gostado. Eu gostei sim, é um livro bom, mas não foi tudo aquilo que eu esperava.
O livro se passa em uma sociedade futurística, evoluída, onde Tally vive. Ela está prestes a completar dezesseis anos e tudo o que mais quer é que o dia da operação que vai transformá-la de feia para perfeita chegue logo.
Mudar-se de Vila Feia para Nova Perfeição e ir a todas as festas possíveis com seu amigo Peris - alguns meses mais velho e já "transformado" - é tudo que ela mais quer.
Porém, em uma de suas excursões a Nova Perfeição, ela conhece Shay, uma feia como ela, mas que não tem vontade de se tornar perfeita.
Shay resolve fugir para um lugar fora da cidade chamado Fumaça, com a ajuda do misterioso David que Tally sequer sabe se existe.
Porém, quando Tally achou que finalmente ia se tornar o que sempre quis, a Circunstâncias Especias lhe dá um ultimato: ou ela vai atrás de Shay e da Fumaça ou nunca se tornará uma perfeita.
Com um enredo desses eu poderia esperar algo que entraria para minha lista dos favoritos voando, mas como disse lá em cima, acho que minha expectativa atrapalhou um pouquinho.
Primeiro que eu demorei séculos para ler esse livro. Eu travei mesmo. Tanto que chegou Apátrida (que eu li num tapa) e eu ainda estava lendo Feios.
Acho que o que dificultou foi a narrativa do Scott. Ele estendeu demais algumas partes que não precisava. Tanto que nas duzentas primeiras páginas não acontece nada de tão significativo, algo que te prenda mesmo ao livro.
O livro ganha fôlego na segunda parte, quando Tally vai atrás da Fumaça. Aí sim, não dá mais para largar.
Mas, tirando esses detalhes, o livro é bem legal. É narrado em terceira pessoa, o que eu acho muito melhor, apesar de eu nunca escrever livros em terceira pessoa ¬¬ e tem personagens maravilhosos.
Eu gostei muito da Tally. Apesar de ela ser muito alienada na maior parte do tempo. Ela é aventureira, adora arrumar confusão e é muito ligada as amizades. Isso é lindo.
O Peris, seu melhor amigo, não aparece tanto no livro e, como só o conheci como perfeito, não preciso nem dizer que ele é meio.. dã.
Mas, de longe, a melhor foi a Shay. Todo esse espírito contestador dela, de não aceitar as coisas sem uma explicação, de não querer seguir um padrão pré-estabelecido fez com que eu me identificasse bastante com ela. Antes de Tally "abrir os olhos" ela é a melhor personagem do livro.

- Você não acredita nessa besteira de verdade, acredita? Que só há uma aparência certa, e que todo mundo é programado para concordar com ela?

Também gostei muito do David. Ele tem todo aquele lance de natural, artesanal que eu, como pseudo-ecologista, acho muito bacana.
Aliás, algo me encantou no livro foi a forma que o autor encontrou para questionar a sociedade atual. O modo como utilizamos as matérias-primas e as fontes de energia é bastante criticado pela sociedade de Tally, que nos enxerga como "enferrujados" (por utilizarmos ferro em quase tudo).

Era quase impossível acreditar que as pessoas vivessem daquele jeito, queimando árvores para desocupar a terra, consumindo petróleo para gerar energia, rasgando a atmosfera com suas armas.  

Achei legal até o modo como foi explicado o motivo de nossa sociedade ter sido extinta. Super criativo e nem é tanta viagem assim.
O livro, além de toda essa aventura, ainda conta com um romance super bonitinho. Nada muito meloso, mas que com certeza faz nosso coração disparar e torcer para que os apaixonados fiquem juntos.
O conselho que eu dou para quem for ler o livro: vá sem tantas expectativas e tenha paciência.
O início pode até ser meio arrastado e tu podes ficar tentado a largar, mas não faça isso. O livro é muito bom e tem um final surpreendente.
Eu estou necessitando urgentemente da continuação.

Um super beijo e até a próxima.